sábado, 22 de abril de 2017

Opinião: Madame Bovary, de Gustave Flaubert


Nota: Normalmente, não escrevo opiniões acerca das minhas leituras relacionadas com a minha vida estudantil, mas decidi ser diferente desta vez devido à falta de publicações aqui no blogue.



Madame Bovary, de Gustave Flaubert, foi publicado em 1857 e é um dos romances mais significativos do realismo literário francês. Na altura em que foi publicado, causou uma grande polémica devido ao tema principal retratado, o adultério. Tal polémica não agradou o autor, que queria ver o seu livro reconhecido pelo seu talento, não pelas acusações feitas pela sociedade. Mas é mesmo devido a esse escândalo, bem como às características realistas presentes, que o romance é estudado. Além disso, é uma das obras mais adaptadas da história da literatura, ou seja, muitos autores já escreveram livros, tendo como base o enredo deste romance. Por isso, e por muitas outras razões, estou a estudar este livro na Universidade.

O livro começa com a apresentação da vida de Charles Bovary, que viria a casar com Emma, a Madame Bovary do título. Emma é uma mulher que passou a juventude a ler literatura romântica e, por isso, sempre sonhou casar com um homem apaixonante e entusiasmante. Depois de casar com Charles, Emma percebe que ele não é esse tipo de homem e, assim, sente-se desiludida e frustrada, até que aparece Rodolphe, um homem burguês charmoso. Emma, então, passa a ter dúvidas: deverá agir como uma esposa fiel, mas aborrecida, ou será que ela pode tentar encontrar o homem ideal típico dos romances românticos?


Resultado de imagem para emma and rodolphe movie Mia Wasikowska
Imagem da adaptação cinematográfica de 2014.
Mia Wasikowska como Emma Bovary e Logan Marshall-Green como Rodolphe (no filme, tem um nome diferente: Marquis).

Eu estava entusiasmada quando comecei a leitura. Estava tudo a correr bem, pois a escrita, no início era fluída e o ritmo do desenvolvimento da ação era bom, mas algumas páginas depois, fiquei como Madame Bovary: aborrecida. Só quando comecei a segunda parte do romance é que voltei a sentir algum entusiasmo, mas, ainda assim, senti a presença do tédio novamente. De facto, comecei a leitura na primeira semana de fevereiro (penso eu) e terminei no dia 14 de abril. Portanto, demorei praticamente dois meses.

O problema foi, sem dúvida alguma, quando o Realismo começou mesmo a tornar-se mais evidente. Este movimento literário não me encanta nada, sinceramente. Por exemplo, não gostei muito d'Os Maias, apesar de reconhecer o mérito de Eça, claro. Contudo, não gosto nada das descrições objetivas que o Realismo tanto adora. Essas descrições são, de certo modo, "piores" neste romance, uma vez que Flaubert, através da literatura, queria encontrar a beleza estética. Posto isto, ele queria alcançar o belo através do seu estilo de escrita e, de facto, isso nota-se aqui. Ainda assim, ao longo da leitura, nunca gostei muito do estilo de Flaubert. Por mim, eu "cortava" muitas páginas deste livro. Mas o Realismo é mesmo assim, dava-se muito valor à objetividade e, por sua vez, às descrições baseadas na observação objetiva da realidade. Logo, não gostei da escrita de Flaubert.


Resultado de imagem para madame bovary movie 2014
Mia Wasikowska como Emma Bovary.



Tirando as descrições exaustivas, o enredo é relativamente simples. Há um momento de paz antes da mudança (antes e após o casamento entre Charles e Emma), o elemento desencadeador da mudança (queda e consumação da paixão de Emma e Rodolphe), a consequência da mudança e o fim. É claro que o adultério foi um assunto muito chocante na época de Flaubert, o que levou o público a causar um alvoroço de grandes proporções em torno deste livro. No entanto, não me parece que, em termos de enredo, o livro seja assim tão apelativo.


O que, para mim, torna o romance muito interessante é a panóplia de personagens e a diversidade de personalidades. Temos uma Emma apaixonada, mas dona de si mesma, um Charles carinhoso, mas medíocre, um Rodolphe sedutor, mas calculista, entre muitas outras figuras únicas e interessantes. Assim, gostei mesmo das personagens criadas por Flaubert.



Resultado de imagem para madame bovary movie 2014
Imagem da adaptação cinematográfica de 2014.


Concluindo, entendo porque Madame Bovary é um clássico da literatura universal e reconheço as suas qualidades, mas não é o meu "cup of tea", como dizem os britânicos. Ou seja, não cativou o meu coração de leitora.


Classificação: 3/5 estrelas.



2 comentários:

  1. comigo quase todos os livros têm aquela parte "aborrecida" ahahah , mas depois até se tornam bons ihih
    até fiquei curiosa quanto ao livro :)

    Beijinhos ♡ O Olhar da Marina

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que acabas por gostar deles e ainda bem que ficaste curiosa :p
    Beijinhos!

    ResponderEliminar